terça-feira, 22 de janeiro de 2013

HISTÓRIAS DE UMA NORDESTINA ARRETADA E GUERRILHEIRA


Damaris Lucena

wwww.guerrilhanobrasil.blogspot.com.br

        Hoje, abro espaço para contar novamente aqui uma passagem das mais insólitas na vida de Damaris Lucena, a mulher mais arretada que conheci.
Essa nordestina, que até hoje, aos oitenta e tantos anos, traz no discurso a força dos Lucena, passou poucas e boas na vida por conta de sua militância, da do marido e do filho mais velho na luta armada que enfrentou a ditadura.
Casada com Raymundo Lucena - o Doutor da Vanguarda Popular Revolucionária - ela viu o marido ser morto na frente dos filhos menores pela polícia de Atibaia. Seu primogênito, Ariston, foi um dos pouquíssimos brasileiros a serem condenados à pena de morte, isto aos dezoito anos de idade.
Banida do país por conta do sequestro dum embaixador, Damaris teve de amargar anos e anos de exílio em Cuba.

Mas, vamos ao caso:

Corre o ano de 1968 e Damaris trafega pela rodovia Fernão Dias numa Rural Willys. Ela e Ariston, de dezessete anos, levam pra Atibaia parte do arsenal da organização guerrilheira de Carlos Lamarca. No porta-malas estão fuzis Fals, granadas, pistolas, metralhadoras e outros petrechos de guerra.
Num trecho da rodovia, a perua cisma de enguiçar.
Do meio da noite surge então uma viatura policial e os guardas se apressam em abordar a mulher parada no acostamento.
- Olá! A senhora está com algum problema?
- O diacho desse carro empacou. Não quer andar mais.
- Mas é muito perigoso a senhora e o garoto ficarem aqui na estrada a essa hora. Esta região tá infestada de terroristas. Vamos passar um rádio agora mesmo prum mecânico vir ajudá-la.
Enquanto esperam o socorro, os policiais apanham na viatura um maço de cartazes e entregam a Damaris:
- Se puder nos ajudar, espalhe estes cartazes lá no bairro onde mora. Aí estão as fotografias dos terroristas mais perigoso do país.
Já prevendo o que vai encontrar, Damaris apanha os papéis e passa o olho:
- De cara, a primeira foto era do Raymundo, meu marido.
Usando de muito sangue frio, a matriarca dos Lucena repassa os cartazes ao filho procurando dourar a pílula de sua farsa:
- Ariston, olhe bem a cara destes sujeitos. São todos bandidos. Se você cruzar com algum deles por aí, não titubeie, ligue imediatamente pra polícia.
Contentes por ganharem mais dois colaboradores na luta contra a esquerda armada, os policiais ficam ali fazendo segurança involuntária ao arsenal da VPR até a chegada do mecânico.
Quando o homem começa a levantar o carro com seu macaco, ele pergunta:
        - O que a senhora carrega aí dentro pra esta perua estar tão pesada?
Engolindo em seco, a mulher responde de pronto.
- São sacos de mantimento, meu filho! Como nós somos pobres, compramos arroz e feijão no atacado lá em São Paulo, que sai mais em conta.
- Ah, ta!
 Terminado o conserto, a viatura ainda escolta mãe e filho até a entrada do bairro onde moram. Sem saber, os policiais chegaram muito perto dum dos aparelhos clandestinos da organização chefiada por Carlos Lamarca.


PARA SABER MAIS  HISTÓRIAS DA GUERRILHA NO BRASIL DURANTE OS ANOS DE CHUMBO OU COMPRAR O LIVRO ACESSE 

www.guerrilhanobrasil.blogspot.com.br



3 comentários:

  1. Saudades..........
    Prezado jornalista, eu sou agora um já senhor com 52 anos, quando criança morei com meus pais no bairro de São João Clímaco em SP, e meus pais eram amigos pessoais(vizinhos)do sr: Antônio Lucena e de dona Damaris no auge da ditadura, com meus 3 anos na época me lembro e muito bem dela (Damaris) pois era muito simpática e carinhosa comigo. Gostaria se possível entrar em contato com ela para revê-la e dar um caloroso abraço . Meu nome é Enivaldo Luiz Mota, resido em Itararé interior de SP, meu fone é 15-8102-9252.Dsde já agradeço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estou encaminhando seu telefone para ela.
      Abração.

      Excluir
  2. Prezado João desde já te agradeço, grande abraço!

    ResponderExcluir